segunda-feira, 28 de novembro de 2011

CONFIRAM "Pesquisa sobre a Reforma Política"

Pesquisa sobre a 
Reforma Política
LiveZilla Live Help



Estima-se que mais de 300 projetos sobre reforma política circularam 

no Congresso nos últimos 20 anos, entre eles a fidelidade partidária e 
a verticalização, que valeu em 2002 e 2006 (as alianças dos partidos 
deveriam seguir os mesmos critérios nos planos nacional e estaduais).

Uma regra importante, a Lei da Ficha Limpa, nasceu pela iniciativa 
popular e sua aplicação, em 2010, foi decidida nos tribunais.

Nova Reforma

O Congresso Nacional está estudando uma nova reforma. Mas 
há diversas dificuldades que param a reforma política. Por exemplo, 
não há consenso com relação aos fins desejáveis. Mas esses pontos 
são comuns:
  • A reforma pode melhorar a representatividade dos parlamentares
  •  e fortalecer os partidos. 
  • Pode aumentar a transparência e reduzir custos de campanha. 
  • Pode tornar o sistema mais simples e valorizar cada voto.
O problema é que cada sistema prioriza alguns desses aspectos, mas 
não todos. E muitos acham que o Congresso não tem o apoio popular
 para determinadas mudanças.

Essa pesquisa visa mostrar algumas dessas propostas e resumi-las:
  • Sistema Proporcional de lista aberta
  • Sistema Proporcional de lista fechada
  • Sistema Distritão
  • Sistema Distrital
  • Sistema Distrital Misto
Ao final vamos pedir sua opinião sobre qual Sistema Político é o melhor 
para você.

domingo, 27 de novembro de 2011

CONFIRAM NA REVISTA VEJA Ricardo Setti Entrevista direta no fígado: esta ministra deveria ser cogitada para ir para o Supremo. Infelizmente, não está. Mas vejam sua franqueza e coragem"

FONTE/CONEXÃO:http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tag/cesar-asfor-rocha/


Coluna do

Ricardo Setti


César Asfor Rocha
15/08/2011
 às 14:02 \ Política & Cia

A ministra Eliana Calmon, a corregedora do CNJ: "Eu sou uma rebelde que fala" (Foto: VEJA)
Amigos do blog, agora que a ministra do Supremo Tribunal Federal Ellen Gracie se aposentou, aos 63 anos, e a presidente Dilma cogita de indicar para a vaga outra mulher, vejam se não é uma ótima ideia o nome da ministra do Superior Tribuna de Justiça Eliana Calmon, corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão fiscalizador do Judiciário.
Leiam a entrevista que se segue, vejam a franqueza e a coragem da ministra Eliana Calmon. Não se me lembro de ter lido declarações de um magistrado sobre as mazelas e problemas do Judiciário tão sinceras e diretas como essas da incrível entrevista que a ministra concedeu aojornalista Rodrigo Rangel, de VEJA — em setembro do ano passado. O título original é o que vai abaixo. Não percam.
Ah, antes que me esqueça: o nome da ministra NÃO está entre os cogitados pela presidente Dilma para o Supremo. Infelizmente, mesmo que fosse, ela já passou da idade máxima de 65 anos — tem 66 — para ser indicada ao STF. Mesmo que isso não tivesse ocorrido, diante do que a ministra diz, vocês verão que sua não cotação não seria surpresa.

A corte dos padrinhos
A nova corregedora do Conselho Nacional de Justiça diz que é comum a troca de favores entre magistrados e políticos
A ministra Eliana Calmon é conhecida no mundo jurídico por chamar as coisas pelo que elas são. Há onze anos no Superior Tribunal de Justiça (STJ), Eliana já se envolveu em brigas ferozes com colegas — a mais recente delas com o então presidente Cesar Asfor Rocha.
Recém-empossada no cargo de corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a ministra passa a deter, pelos próximos dois anos, a missão de fiscalizar o desempenho de juízes de todo o país.
A tarefa será árdua. Criado oficialmente em 2004, o CNJ nasceu sob críticas dos juízes, que rejeitavam a ideia de ser submetidos a um órgão de controle externo. Nos últimos dois anos, o conselho abriu mais de 100 processos para investigar magistrados e afastou 34.
Em entrevista a VEJA, Eliana Calmon mostra o porquê de sua fama. Ela diz que o Judiciário está contaminado pela politicagem miúda, o que faz com que juízes produzam decisões sob medida para atender aos interesses dos políticos, que, por sua vez, são os patrocinadores das indicações dos ministros.
Por que nos últimos anos pipocaram tantas denúncias de corrupção no Judiciário?
Durante anos, ninguém tomou conta dos juízes, pouco se fiscalizou. A corrupção começa embaixo. Não é incomum um desembargador corrupto usar o juiz de primeira instância como escudo para suas ações. Ele telefona para o juiz e lhe pede uma liminar, um habeas corpus ou uma sentença. Os juízes que se sujeitam a isso são candidatos naturais a futuras promoções. Os que se negam a fazer esse tipo de coisa, os corretos, ficam onde estão.
A senhora quer dizer que a ascensão funcional na magistratura depende dessa troca de favores?
O ideal seria que as promoções acontecessem por mérito. Hoje é a política que define o preenchimento de vagas nos tribunais superiores, por exemplo. Os piores magistrados terminam sendo os mais louvados. O ignorante, o despreparado, não cria problema com ninguém porque sabe que num embate ele levará a pior. Esse chegará ao topo do Judiciário.
Esse problema atinge também os tribunais superiores, onde as nomeações são feitas pelo presidente da República?
Estamos falando de outra questão muito séria. É como o braço político se infiltra no Poder Judiciário. Recentemente, para atender a um pedido político, o STJ chegou à conclusão de que denúncia anônima não pode ser considerada pelo tribunal.
A tese que a senhora critica foi usada pelo ministro Cesar Asfor Rocha para trancar a Operação Castelo de Areia, que investigou pagamentos da empreiteira Camargo Corrêa a vários políticos.
É uma tese equivocada, que serve muito bem a interesses políticos. O STJ chegou à conclusão de que denúncia anônima não pode ser considerada pelo tribunal. De fato, uma simples carta apócrifa não deve ser considerada. Mas, se a Polícia Federal recebe a denúncia, investiga e vê que é verdadeira, e a investigação chega ao tribunal com todas as provas, você vai desconsiderar? Tem cabimento isso? Não tem. A denúncia anônima só vale quando o denunciado é um traficante? Há uma mistura e uma intimidade indecente com o poder.
Existe essa relação de subserviência da Justiça ao mundo da política?
Para ascender na carreira, o juiz precisa dos políticos. Nos tribunais superiores, o critério é única e exclusivamente político.
Mas a senhora, como todos os demais ministros, chegou ao STJ por meio desse mecanismo.
Certa vez me perguntaram se eu tinha padrinhos políticos. Eu disse: “Claro, se não tivesse, não estaria aqui”. Eu sou fruto de um sistema. Para entrar num tribunal como o STJ, seu nome tem de primeiro passar pelo crivo dos ministros, depois do presidente da República e ainda do Senado. O ministro escolhido sai devendo a todo mundo.
No caso da senhora, alguém já tentou cobrar a fatura depois?
Nunca. Eles têm medo desse meu jeito. Eu não sou a única rebelde nesse sistema, mas sou uma rebelde que fala. Há colegas que, quando chegam para montar o gabinete, não têm o direito de escolher um assessor sequer, porque já está tudo preenchido por indicação política.
Há um assunto tabu na Justiça que é a atuação de advogados que também são filhos ou parentes de ministros. Como a senhora observa essa prática?
Infelizmente, é uma realidade, que inclusive já denunciei no STJ. Mas a gente sabe que continua e não tem regra para coibir. É um problema muito sério. Eles vendem a imagem dos ministros. Dizem que têm trânsito na corte e exibem isso a seus clientes.
E como resolver esse problema?
Não há lei que resolva isso. É falta de caráter. Esses filhos de ministros tinham de ter estofo moral para saber disso. Normalmente, eles nem sequer fazem uma sustentação oral no tribunal. De modo geral, eles não botam procuração nos autos, não escrevem. Na hora do julgamento, aparecem para entregar memoriais que eles nem sequer escreveram. Quase sempre é só lobby.
Como corregedora, o que a senhora pretende fazer?
Nós, magistrados, temos tendência a ficar prepotentes e vaidosos. Isso faz com que o juiz se ache um super-homem decidindo a vida alheia. Nossa roupa tem renda, botão, cinturão, fivela, uma mangona, uma camisa por dentro com gola de ponta virada. Não pode. Essas togas, essas vestes talares, essa prática de entrar em fila indiana, tudo isso faz com que a gente fique cada vez mais inflado. Precisamos ter cuidado para ter práticas de humildade dentro do Judiciário. É preciso acabar com essa doença que é a “juizite”.

CONFIRAM "JUSTIÇA PARA JUSTIÇA"

Justiça para justiça

Luiz Edgard Cartaxo de Arruda Junior
cartaxoarrudajr@gmail.com
memorialista

            A opinião pública julga falcatruas dos governantes e parlamentares.
Há indignação com vícios do nosso sistema político. O abuso do poder econômico deteriora as escolhas eleitorais, fragilizando a democracia representativa.
            Essa realidade tem adubado o debate da Reforma Política, com reflexões acerca dos infortúnios e mazelas que permeiam os interesses privados na esfera pública.  Dentre os poderes da república, a justiça sempre resistiu a claridade do olhar público. Os labirintos dos tribunais ainda são inacessíveis ao povo e o que acontece em seus umbrais são coisas, muitas vezes, nebulosas, cheirando a negociações espúrias e danosas.
            A ministra Eliane Calmon, corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), tem rasgado o véu do silêncio e denunciado a existência de esquemas de corrupção, chegando a cunhar um conceito peculiar para designar o fenômeno: bandido togado.
            A resistência corporativa tenta encobrir os pecados que dilaceram a credibilidade da justiça. O CNJ tem sido a única instância de controle sobre o comportamento criminoso de juízes, com o mínimo de isenção, mas ainda com poucos recursos de punibilidade. A ousadia de tentar fazer cumprir o seu papel, identificando juízes e esquemas de corrupção, despertou a insurreição das forças medievais que dominam o Poder Judiciário. Descaradamente, tentam destruir a instância de controle e contenção das irregularidades e do jogo impune de propinas e interesses que transformam parte da justiça brasileira num balcão de negociatas.
            Até a Igreja se curvou diante dos desvios éticos e morais dos seus servos de Deus. A  pedofilia que recai sobre o manto sagrado da batina não são mais ocultadas.  A Igreja se modernizou e já respira os ares do século XXI, punindo seus erros.  O Judiciário quer pairar acima do bem e do mal; não quer que se faça justiça sobre os escândalos que rondam os tribunais, transformando agentes de justiça em mafiosos de toga. O manto preto da impunidade dos juízes e seus esquemas organizados de enriquecimento ilícito, talvez seja o lado mais obscuro a comprometer a saúde da democracia brasileira.
            Há quadrilhas atuando sob a sombra da toga e o tráfico de influência contamina todos os poderes. É comum a venalidade do juízo jurídico, o jogo de chantagem e o enriquecimento ilícito do crime organizado de colarinho branco.  Isso faz desabar e destruir a justiça brasileira, minando as bases institucionais da sociedade democrática que se quer implantar e consolidar.
            Devemos lamentar que parte da justiça brasileira atue de mãos dadas com o crime organizado, vivendo em feudos intocáveis e sendo remunerada com salários de sultão. Dizem que aplicam golpes sem pudores, com a desenvoltura de gatos noturnos em sua larapia arrogância, crentes na impunidade eterna. Devemos fortalecer e democratizar o CNJ, antes que a máfia destrua suas células éticas.





CONFIRAM "CAIU A MÁSCARA... VALDETÁRIO CONFESSA QUE É SÓCIO DO FILHO DO MINISTRO CÉSAR ASFOR"


Caiu a máscara...

Enviado por eleitoresperto em 18/11/2009
Valdetário confessa que é sócio de filho do ministro César Asfor.

video


sábado, 26 de novembro de 2011

PROTEÇÃO DIVINA DAS FAMÍLIAS MARTINS BORGES, LEITÃO CORREIA E TODAS OUTRAS RELACIONADAS





video



CONFIRAM DO ANO DE 2010 MAIS MUITO ATUAL Corrupção, psicologia e você - Fantástico!



19 de dezembro de 2010
Corrupção; Corrupção disseminada; Levar vantagem; Sociopatia;
·         Nessa mesma reportagem, como podem ver no video, uma pesquisa concluiu que quase 50% da população aceitaria o mensalão, e isso o suq e tiveram coragem de falar, então deve ser ainda mais. E segundo o psiquiatra os corruptos deveriam ser afastados. Então deveriam afastar mais da metade da população brasileuira. Mas que povinho ladrão o nosso.
jerryaltman 3 anos atrás 3 http://s.ytimg.com/yt/img/pixel-vfl3z5WfW.gif
·         Genético? Ambiental? Conter e limitar além da lei?
Será que apenas inteligentes ou sedutores?
PUNIR e dizer que não tem CURA?
Suprimir e dominar as pessoas ou curá-las?
Desenvolvimento MENTAL ou genético?
Doença Mental causa transtornos, qual a origem da DOENÇA MENTAL?
Resolver com remédios ou com Terapia para localizar a CAUSA e resolver?
Pois é, enquanto culparem a genética, as questões físicas ou bioquímicas, então teremos uma humanidade 'dependente' e não livre de seus problemas.




sexta-feira, 25 de novembro de 2011

DESVIO DE R$ 1, 4 MILHÃO DA MASSA FALIDA DA CONSTRUTORA SIMCOL EM FORTALEZA-CE

DESVIO DE R$ 1, 4 MILHÃO DA MASSA FALIDA DA CONSTRUTORA SIMCOL EM FORTALEZA-CE
Em 21 de novembro do corrente, Gilberto Martins Borges, septuagenário, sócio majoritário da Falida Sociedade Imobiliária e Construtora Ltda (SIMCOL) fez denúncia na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-Br) acerca do desvio por parte dos componentes da Sociedade Rocha Marinho e Sales Advogados S/C abaixo discriminados:
· CAIO CESAR VIEIRA ROCHA, OAB-CE Nº 15.095;
· ANASTÁCIO JORGE MATOS DE SOUZA MARINHO, OAB-CE Nº8.502; DEBORAH SALES BELCHIOR, OAB-CE Nº 9.687.
· Advogado, MACHIDOVEL TRIGUEIRO FILHO, OAB-CE Nº 13.449; e,
· Advogado, VALDETÁRIO ANDRADE MONTEIRO, OAB-CE Nº 11.140.
O processo falimentar tramita na 1 ªVara de Recuperação de Empresas e falências, do Fórum Clovis Beviláqua, Comarca de Fortaleza, e na preventa 1ª Câmara Cível do TJCE, tendo como Relator o Exmo. Sr. Desembargador EMANUEL LEITE ALBUQUERQUE, que no momento julga dois agravos de Instrumento, impetrados pelo Sr. Machidovel, Síndico dativo da Massa Falida da SIMCOL. O referido síndico fora destituído e readmitido de forma absurda, permanecendo na função, por vários anos, por força de liminar exarada pelo seu protetor Desembargador FRANCISCO SALES NETO, que se considerou  suspeito, passando para o atual, que forçou ao Sr. Machidovel a desistir do AI  no dia do julgamento; o outro impetrado pelo denunciante contra ROCHA, MARINHO E SALES ADVOGADOS S/C, em que combate o recebimento indevido de honorários advocatícios extorquidos da SIMCOL, no valor aproximado de R$1.400,000,00.

Detalhamento dos atos de corrupção:
-Advogado MACHIDOVEL TRIGUEIRO FILHO entre outros delitos subtraiu as importâncias aproximadas de R$90.000,00, recebeu indevidamente R$420.000,00, deixou de prestar contas, foi classificado pelo Juízo falimentar que o destitui, de não merecer confiança, ser relapso, negligente no exercício do seu mister, descumpriu com seus deveres , como por determinação judicial. É sócio dos Advogados da Sociedade ROCHA, MARINHO E SALES ADVOGADOS S/C (doc. anexo).
- CAIO CESAR VIEIRA ROCHA chefe do escritório da Sociedade ROCHA, MARINHO E SALES ADVOGADOS S/C (doc. anexo), filho do Ministro do STJ, CESAR ASFOR, aquele da operação “CASTELO DE AREIA” da Polícia Federal. Juntamente com os demais advogados da sociedade, formando quadrilha, -ANASTÁCIO JORGE MATOS DE SOUZA MARINHO; e, -DEBORAH SALES BELCHIOR, e mais o Advogado TIAGO ASFOR ROCHA LIMA, além do Síndico, MACHIDOVEL TRIGUEIRO FILHO, todos coniventes nesse imbróglio, extorquiram do Juízo falimentar a importância aproximada de R$1.400.000,00 da Massa Falida da SIMCOL.
O Advogado, VALDETÁRIO ANDRADE MONTEIRO, OAB-CE Nº 11.140, Presidente da OAB-CE, tem interesse e é sócio do escritório da Sociedade ROCHA, MARINHO E SALES ADVOGADOS S/C (doc. anexo), consta no “jornal falado” do meio jurídico, que o Ministro Cesar Asfor elegeu Valdetário como Presidente da OAB-CE. Numa Audiência Pública da Assembleia Legislativa do Ceará “Contra a Corrupção” o Deputado MOESIO LOYOLA, veladamente, fez alusão ao fato sem dizer o nome do Ministro que se encontra em vídeo (disponível na internet SITE: <http://youtu.be/RJZq6a4TPWM>). Na acusação de infâmia que fez da gestão anterior do TJ-CE, publicada no Diário do Nordeste, no dia 21/10/11, o Desembargador defendeu-se assim: “...,me causa perplexidade que o Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil local, Sr. Valdetário Monteiro, de quem se espera, dentre outros predicados, o respeito aos princípios éticos para evitar utilização do cargo em proveito próprio, recorrer ao expediente mais reprovado pela insigne Classe dos Advogados, qual seja, acusar pessoas e instituições sem o respeito ao devido processo legal do amplo direito de defesa”. Recebendo ordens superiores ele procura obscurecer a excelente Administração feita pelo Desembargador Ernani Barreira, para esconder a influência nefasta do seu chefe.
O desvio desses valores tem prejudicado sensivelmente o equilíbrio das finanças da SIMCOL junto ao Fisco e dificultando a quitação dos débitos com os diversos credores da massa falida, dentre outros transtornos.
Fortaleza, CE, 21 de novembro de 2011.
Gilberto M. Borges
Denunciante Raul Loiola de A. Filho -
Advogado 0AB-CE nº 11.086.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

CONFIRAM " Protesto contra a corrupção reúne 200 pessoas em SP"

SOURCES/LINKS:
 http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/protesto-contra-a-corrupcao-reune-200-pessoas-em-sao-paulo
http://www.youtube.com/watch?v=2Sa4InuIj3Q

OBS: VIDE VÍDEO ABAIXO


 
15/11/2011 - 17:46
 

MOBILIZAÇÃO

Protesto contra a corrupção reúne 200 pessoas em SP

Mesmo debaixo de chuva, os manifestantes 

caminharam por cerca de uma hora pela Avenida 

Paulista, entre o MASP e a Rua da Consolação

Fernanda Nascimento e Júlia Rodrigues
Jovem participa de protesto contra a corrupção em São Paulo, nesta terça-feira, 15 de novembro
Jovem participa de protesto contra a corrupção em São Paulo, nesta terça-feira, 15 de novembro (News Free/Folhapress)
Nem a chuva forte impediu a realização de mais um protesto contra a corrupção em São Paulo nesta terça-feira. A manifestação faz parte de uma mobilização nacional que já está virando tradição nos feriados de 2011. No início da tarde, duzentos manifestantes ocuparam uma das faixas da Avenida Paulista e caminharam até a Rua da Consolação. Esta é a terceira vez que o grupo se reúne na capital neste ano para defender um Brasil sem corrupção. Nos feriados de 7 de setembro e 12 de outubro, a Avenida Paulista também foi palco dos atos, que juntaram cerca de 3 mil pessoas.
"A corrupção é atemporal", gritava um dos organizadores do movimento, o professor Antonio Herminton Oliveira, diante da chuva que caia enquanto os manifestantes se concentravam no vão do MASP. Assim como outras 15 pessoas, ele preparava cartazes e faixas no local desde a noite da segunda-feira, quando um grupo acampou na frente do museu para um ato batizado de "Virada contra a corrupção". "As pessoas vieram mesmo com a chuva", disse, emocionado. "Elas estão acreditando que a mudança é possível."
Um grupo de vinte moradores de um condomínio no Alto de Pinheiros, na Zona Oeste, veio em caravana para o protesto. Liderados pela consultora imobiliária Lia Vidigal, distribuiam camisetas e adesivos contra a corrupção. "Se todo mundo se organizasse em seu condomínio ou em seu clube, o movimento ia crescer", disse Lia, que gastou as últimas semanas avisando os vizinhos com cartazes na garagem e informativos nos elevadores.
Entre os poucos jovens presentes na passeata estava a estudante Sophia. Foi sua mãe, a advogada Mônica Winkel, que a incentivou a participar do movimento. "Todo mundo reclama, mas ninguém faz nada", reclamou Mônica. A filha mais nova, Estephânia, de 7 anos, também não ficou em casa. "A corrupção é feia. Meus pais pagam um dinheirão e os políticos usam o dinheiro para eles", desabafou a jovem.
A Polícia Militar acompanhou todo o percurso do protesto e não registou incidentes.


sábado, 19 de novembro de 2011

CONFIRAM "MAIS DE 120 ANOS DE BRASIL REPUBLICANO: DE ONDE VIEMOS E PARA ONDE VAMOS? MANIFESTADO NA TERCEIRA MARCHA ANTI-CORRUPÇÃO








MAIS DE 120 ANOS DE BRASIL REPUBLICANO:
DE ONDE VIEMOS E PARA ONDE VAMOS?

*Gilberto Martins Borges
*Gilberto Martins Borges Filho
*Ricardo Correia Borges
**João Maciel R. S. Silva

*Pesquisa e texto
**Revisão e copy-desk

São Paulo, 15 de novembro de 2011



Nesta  terça-feira , o Brasil comemora mais de 120 anos de República. Aproveitamos o ensejo para uma reflexão sobre como percebemos certos fatos históricos, atuais e suas respectivas interpretações e para o avanço democrático no país, sem pretensão de se esgotar o assunto.

Com relação ao primeiro momento histórico inicial, o Brasil não foi descoberto nem “achado”, pois isto significa não reconhecer que, naquele momento, a “terra brasilis” já era habitada por povos e nações indígenas que tiveram um relacionamento trágico com seus colonizadores (perseguidos e expulsos de suas próprias terras, quando não morriam de doenças trazidas pelos algozes).


Procuravam eles mão-de-obra barata para as monoculturas da cana-de-açúcar e do café. E, somente a encontram, de forma decisiva, na forma de mão
de obra escrava. Sobre isso descreveu Castro Alves, em seu “Navio
Negreiro”: Era um sonho dantesco... Com tudo sob seu jugo, os inimigos mais ameaçadores só vinham agora do exterior: os holandeses, os franceses e os corsários. E, foi justamente na luta contra os holandeses que surgiram no Brasil os primeiros lampejos do sentimento de brasilidade.

É importante destacar que muitos movimentos contra a coroa
portuguesa, com ou sem participação popular, precederam a proclamação da república: a Inconfidência Mineira, a Revolta dos Alfaiates, a Sabinada, a Revolução Pernambucana e a Praieira e a
Guerra dos Farrapos. Fatos externos à Coroa Portuguesa podem ser conside-rados como fatos portadores de futuro naquela época, como as ameaças de invasão de Portugal por Napoleão e a ascensão da Inglaterra como potência mundial. O primeiro promove a retirada de D. João VI para o Brasil e traz uma mudança importante no cenário que pode ser traduzido pela frase “a metrópole virou colônia e a colônia virou metrópole”. D. João VI retornou a Portugal, deixando D. Pedro I como Regente. E este, devido aos constantes atritos com a Coroa realizou o famoso Ato de 22 de setembro de 1822. Entretanto é bom ressaltar que aquele Ato teve um preço alto, pago com um empréstimo à Inglaterra, nossa primeira dívida externa. A Inglaterra em contrapartida exigia modificações que repercutiram nos primórdios da democracia brasileira (a Constituição Imperial, mesmo que outorgada; e outros benefícios). O Brasil se constituiu como uma Monarquia única na America Latina, pois todas as outras colônias tornaram-se Repúblicas.

É no reinado de D. Pedro II que o Império entra em crise. Um aspecto importante que influenciou na Proclamação da República foi o fortalecimento do Exército Brasileiro em decorrência das vitoriosas campanhas feitas na Guerra do Paraguai, quando um dos seus heróis foi Deodoro da Fonseca, o que alguns autores consideram como Primeiro Golpe Militar da História da República (LUSTOSA, 2009).

A Proclamação da República foi o ponto final de um processo de desenvolvimento que se desencadeava há quase três décadas.

Entretanto, como afirmou Saldanha Marinho: “Essa não é a República dos meus sonhos”, pois (...) era a Economia que ditava a mudança, ou seja, “a ditadura do capital” sem o prevalecer a real da democracia como afirmaria Saramago nos dias atuais.

Ao longo de toda esta trajetória desde a proclamação a nossa republica tem passado por diversos eventos adversos a sua concepção original.

Um dos grande percalços destra tortuosa trajetória de nossa república é a questão da corrupção que advem  anterior primórdios do descobrimento aliada a outras formas de dominação. E, que contemporaneamente tem se expandido de forma alarmante.
Platão no livro "República",ele mostrava como o tirano obtém o poder através da manipulação das massas ingênuas e de como prende, exila e assassina adversários, com o objetivo de transformar o poder político relativo dado pela sociedade em poder absoluto.
Durante este processo de obtenção do poder político absoluto, Platão mostra como o tirano substitui as pessoas de qualidade que o ajudaram a chegar ao poder por pessoas corruptas e assassinas. Ele também cria uma guarda pessoal que tortura e mata sob suas ordens ou de outras pessoas da hieraquia que ele cria. Finalmente, Platão mostra como o tirano recorre a guerras para distrair a atenção do povo de sua ação nefasta com o objetivo de continuar a exercer o poder político.”
Na atualidade verifica-se que o movimento jovem  vem ressurgindo em vários países, inclusive no Brasil. Foram lutas importantes, que encaramos como preparatórias e antecipatórias de grandes processos nos quais estamos chamados a atuar como sujeitos revolucionários nesta etapa que se abre com a crise econômica, que mal começou e já está levando tal juventude massivamente às ruas em vários países como Itália, Alemanha e Espanha e o próprio Estados Unidos da America , onde se luta contra as reformas educacionais.

No Brasil, pode-se constatar a importância do movimento da juventude  de Brasília, que pela primeira vez no um diretório da União Nacional de Estudantes (UNE-Brasília) é eleito com objetivos não partidários, bem como este movimento aqui no MASP, AVENIDA PAULISTA e que também acontece, neste dia, em outras capitais. Pois estes jovens estão cansados de constatar através da mídia casos e mais casos de corrupção com participação dos partidos principalmente aqueles que estão no poder com total impunidade. 
Para melhor compreensão, acerca da palavra “corrupção”  a primeira acepção, o verbo "corromper" tem um sentido mais amplo que a prática pura e simples de corrupção política. Neste primeiro sentido, o verbo "corromper" significa a transformação - danosa para a sociedade - da personalidade da pessoa alçada à posição de exercer poder sobre os demais cidadãos (que antes desta transformação danosa eram considerados, pela normas escritas e não escritas, seus iguais).
E, por corrupção política é o uso das competências legisladas por funcionários do governo para fins privados ilegítimos. Desvio de poder do governo para outros fins, como a repressão de opositores políticos e violência policial em geral, não é considerado corrupção política. Nem são atos ilegais por pessoas ou empresas não envolvidas diretamente com o governo. Um ato ilegal por um funcionário público constitui corrupção política somente se o ato está diretamente relacionado às suas funções oficiais.
As formas de corrupção variam, mas incluem o suborno, extorsão, fisiologismo, nepotismo, clientelismo, corrupção e peculato. Embora a corrupção possa facilitar negócios criminosos como o tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e tráfico de seres humanos, ela não se restringe a essas atividades.
Thomas Jefferson  afirmara "Se os homens são puros, as leis são desnecessárias, se os homens são corruptos, as leis são inúteis". E, como afirma o memorialista do Estado do Ceará, Luiz Edgard Cartaxo de Arruda Junior “ A escravidão é o pior tipo de corrupção. Nos querem servos de conglomerados de potências antinacionais, sem escrúpulos e, absolutamente, nenhum compromisso com o bem estar dos povos pobres. Devemos quebrar este ciclo dominante que só serve a outros interesses imediatistas, anti-humanos e anti-Brasil. Pode até ser que esteja extrapolando na redundância do ufanismo ao Brasil.
Contudo, o gigante despertou”. E, é este aspecto da corrupção, que acredito seja um dos mais difíceis, pois se a corrupção existe, existe também receptáculo para ela. O permitir que ela exista e permeie tudo num ciclo vicioso contínuo é o grande desafio. Esse desafio não consiste em acabar com os corruptos, mas sim quebrar os elos da cadeia deste ciclo vicioso. A questão da impunidade parece também fazer parte deste ciclo vicioso, existe, ao que parece, terreno para que ela se perpetue. E, quando menciona que os corruptores não ficarão impunes ‘ad eternum’ estamos nos referindo à parte adormecida dos “escravos da corrupção”, em suma NÓS. Este libertar passa necessariamente por uma Pedagogia da Cidadania. .

Porque,  a RAIZ DO PROBLEMA É QUE OS os candidatos, NO BRASIL  para se elegerem necessitam  compar votos.  E, é por este e outros motivos que a DITA REFORMA POLÍTICA, BEM COMO OUTRAS, NO ATUAL CONTEXTO ESTA DEVERAS DISTANTE e não  vai acontecer .

Além disso, temos que encontrarmos um modo mais sábio DE OS eleitores NÃO MAIS terem que vender seus VOTOS, pois a distribuição de renda no pais está favorável . e, AINDA TEMOS UMA PRESIDENTA DA REPÚBLICA DO BRASIL AUTENTICAMENTE REVOLUCIONÁRIA.
Entretanto, é necessário que procuremos novas estratégias com vistas a uma REVOLUÇÃO PACÍFICA INSTANTÂNEA DENTRO DO PRÓPRIO CAPITALISMO, COMO ESTA QUE OCORREU RECENTEMENTE NO ORIENTE MÉDIO,  ATRAVÉS DE UMA PEDAGOGIA COM RECURSOS MODERNOS DISPONÍVEIS QUE POSSA MELHORAR A CONSCIÊNCIA DE NOSSO ELEITORES, PRICIPALMENTE AQUELE JOVEM  QUE ESTARÁ VOTANDO PELA PRIMEIRA VEZ .




É, pois importante mencionar, que existem duas vitórias irrefutáveis da sociedade de âmbito mundial :
1)               uma  baseado nos filosofia grega antiga é a democracia e a meritocracia com vistas a combater a patifaria dos corruptos;
2)                a segunda é o capitalismo.
Pois, A revolução russa acabou por conta da corrupção tendo como o marco a queda do muro de Berlim.
Além disso, a revolução comunista chinesa está perdurando, e continua crescer de forma assutadora, com participação do chamado capitalismo de estado e com maior zelo para questões como corrupção.
Por outro lado este movimento deve ser  ausente de  influência religiosa,  contrário ao que ocorreu recentemente no oriente médio,  pois  deve ser laico, o ou qualquer outro ipo de discriminação.
O OBJETIVO DESTE MOVIMENTO É QUE OS JOVENS TOMEM O PODER  COM DEVIDA CAPACITAÇÃO POLÍTICA PARA IMPLANTAR A MERITOCRACIA DEMOCRÁTICA CAPITALISTA FAZENDO A FAXINA DA CORRUPTOS DO PODER
Pois, “A mobilização da juventude tende a se aprofundar com a desilusão de setores cada vez mais amplos e que não carrega nas suas costas as derrotas do passado e está cheia de energias e anseios para a vida, o que se choca com o capitalismo em decadência.
Torna-se mister reescrever o Capitalismo e, por conseguinte, a NOVA história do Brasil tem agora a participação do jovem brasileiro, pois, “O que a gente sonha está bem longe da realidade, mas pode estar bem próximo de nossas decisões ”.