domingo, 30 de junho de 2013

INDIGNANT SHOUT: CARLA ZAMBELLI UMA GRANDE PAUTA REIVINDICAÇÕES AINDA AGUARDANDO SOLUÇÃO


 

video

 

 
 


 
Popularidade de Dilma desaba e protestos são anunciados para final da Copa das Confederações
AFPAFP – sáb, 29 de jun de 2013
·         Email
·          Compartilhar13
·         Tweet
·          
·          
·         Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
·         A popularidade do governo Dilma caiu de 57% a 30% desde a primeira semana de junhoVer foto
A popularidade do governo Dilma caiu de 57% a 30% desde a primeira semana de jun …
A popularidade da presidente Dilma Rousseff caiu 27 pontos após as manifestações populares iniciadas há cerca de duas semanas, e que prometem se repetir neste domingo no Rio de Janeiro, na final da Copa das Confederações.
Segundo uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada hoje, a popularidade do governo Dilma caiu de 57% a 30% desde a primeira semana de junho, impactada pelos grandes protestos nas ruas, que exigiram melhores serviços e o combate à corrupção.
A quantidade de entrevistados que consideram o governo de Dilma bom ou muito bom passou de 57% para 30%, os que o consideram regular avançaram de 33% para 43%, e os que o acham ruim ou péssimo aumentaram de 9% para 25%.
Com estes dados, a presidente se mantém como favorita para as eleições presidenciais de outubro de 2014, mas teria que enfrentar um segundo turno.
Em março, o governo Dilma havia alcançado um recorde de popularidade, de 65%. No começo de junho, como resultado do descontentamento com a inflação e o crescimento fraco, este percentual caiu oito pontos, para 57%.
A queda de agora, de 27 pontos, é a maior para um presidente em exercício desde 1990, quando Fernando Collor de Mello ocupava o cargo, assinalou o jornal "Folha de São Paulo", que divulga a pesquisa.
O estudo ouviu 4.717 pessoas em 196 municípios do país. A margem de erro é de 2%.
"É grave para o governo, que está em um contexto complexo de dificuldades com os movimentos sociais", declarou à AFP o analista político André César, da consultoria Prospectiva, com sede em Brasília.
"Isto enfraquece ainda mais a presidente, porque reforça a pressão dos aliados e também da oposição, que tentará tirar proveito. É o pior cenário possível. Dilma já não é a presidente forte de meses atrás", completou.
Em meio às manifestações populares, que tiveram como um dos focos o repúdio aos gastos milionários como os estádios da Copa do Mundo de 2014, um grande chamado às ruas estava sendo feito para este domingo, dia da final da Copa das Confederações, nos arredores do estádio do Maracanã.
A Polícia Militar do Rio de Janeiro anunciou que deslocará 6 mil homens para fazer a segurança do evento.
Os protestos continuaram hoje, com menor intensidade e espalhados pelo país, mas ganharam força em Belo Horizonte, onde a Câmara Municipal aprovou neste sábado uma redução do preço da passagem de ônibus considerado insuficiente, segundo os manifestantes, que ocuparam o local.
Mas a maior passeata do dia foi a dos evangélicos. Cerca de 800 mil fiéis, segundo a polícia, e 2 milhões, segundo os organizadores, reuniram-se no centro de São Paulo para a anual Marcha para Jesus.
Siga o Yahoo! Notícias no Twitter e no Facebook 
 
 
DESTAQUES EM MUNDO
Estadão Conteúdo - 2 horas 12 minutos atrás
EFE - 2 horas 16 minutos atrás
 
 
 


 






 

Você está em Notícias > Política

Grupos convocam atos anticorrupção e defendem militares

Amanhã, haverá mais 2 protestos em São Paulo; para a organizadora Carla Zambelli, não há mais direita e esquerda

25 de junho de 2013 | 2h 04



·         Assine a Newsletter
·          
·          

Nataly Costa - O Estado de S.Paulo

Em diversos eventos pulverizados pelo Facebook, grupos que não se intitulam "nem de direita nem de esquerda" convocam atos anticorrupção em várias cidades brasileiras. Alguns defendem a volta das Forças Armadas ao comando do País e todos clamam pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), além de serem contra "qualquer bandeira" fora a brasileira em protestos.

Embora partam de comunidades distintas nas redes sociais, as lideranças formam grupos afins, que divulgam os eventos uns dos outros. A página do Facebook nasruas, moderada pela ativista Carla Zambelli, funciona como âncora para espalhar atos de várias organizações.

Em São Paulo, por exemplo, para o mesmo horário e local (17 horas de amanhã, em frente ao Masp) estão marcados os atos Por Um Brasil Melhor e Menos Corrupto e Reconstruindo o Brasil - este último organizado pela Organização de Combate à Corrupção (OCC), que defende a volta do militarismo.

"Roubamos a pauta porque o Movimento Passe Livre tem um tema muito restrito, que não nos representa. Eles insistem em dizer que o tema é reforma agrária e mobilidade, mas o povo brasileiro provou que a luta é contra corrupção. No protesto de quinta, ninguém tinha cartaz de reforma agrária", diz Carla. "Só 'petralha' para dizer que o movimento anticorrupção é 'vago'. Se não for pelo amor é pela dor, a gente quer parar o Brasil mesmo."

Carla defende que "não existe direita e esquerda mais, mas o que é bom e o que é ruim". Diz não defender a ditadura militar, mas faz ressalvas. "Talvez eles (grupos que defendem o militarismo) estejam certos em dizer que Forças Armadas tenham de tomar conta. A gente quer que os fichas-sujas saiam do Senado e do Congresso. Mas como tirá-los? Não há demissão. Então a Comissão de Ética tem de entrar, ou as Forças Armadas tirá-los dali", diz.

"Mas eu acho que não precisa ser as Forças Armadas, pode ser o próprio povo."

Para o fundador do Revoltados Online - que também convoca as manifestações anticorrupção -, Marcello Reis, "não é o momento" de falar se o grupo é contra ou a favor do militarismo. "Não achamos que agora há necessidade de falar isso. Não é que nós somos contra ou a favor (da intervenção armada). Se for necessário, sim."

Reis acredita que uma alternativa ao regime militar é a redução dos partidos a cinco - dois de direita, dois de esquerda e um de centro. "Temos mais de 40 partidos, mas não temos 40 ideologias. Uma solução imediata, se houvesse o impeachment da Dilma, seria deixar o Joaquim Barbosa por seis meses como presidente até que fossem convocadas novas eleições, das quais só participariam partidos fichas-limpas."

Sem bandeiras. Carla, que também mantém o Movimento Pátria Minha, é a favor de que se queimem "todas as bandeiras que aparecerem em manifestação". "Se aparecer com a bandeira do PSDB vamos queimar do mesmo jeito. Mas peraí, PT, você é um dos principais culpados da manifestação! Que vá com a camiseta do Brasil."



 
 


 

sábado, 22 de junho de 2013

INDIGNANT SHOUT: "Brazilians protest rising public transport costs"


 
 

Brazilians protest rising public transport costs
·    Posted By: Marc Martin
·    Posted On: 9:29 a.m. | June 18, 2013
[UPDATED June 20 2013]  SAO PAULO, Brazil — On Thursday night last week, Brazil’s left-wing Free Fare Movement held the fourth of its street protests against a 10-cent hike in bus fares. A few thousand people turned out.
By Monday night, the movement had exploded. More than a quarter of a million people took to the streets in 12 state capitals to demand a smorgasbord of changes in government, including, but hardly limited to, lower public transit fares.
[UPDATED June 18, 2013]  SAO PAULO, Brazil — An estimated 50,000 people took to the streets of Sao Paulo on Tuesday, continuing protests in Brazil aimed at lowering public bus fares and improving public services.
The Free Fare Movement behind the protests said it would stay on the streets until the Sao Paulo government revoked a recent bus fare increase of about 10 cents.
SAO PAULO, Brazil — Tens of thousands of protesters in Brazil held rallies in at least 11 cities Monday, the fifth straight day of demonstrations in opposition to such issues as rising public bus fares and police violence.
Marches coordinated on social networks took place in cities including Sao Paulo, Rio de Janeiro and Belo Horizonte, where police fired tear gas and rubber bullets on protesters, and Brasilia, where a small group climbed onto the roof of Congress.
In Sao Paulo, South America’s largest city, an estimated 65,000 people filled the streets in the fifth and largest protest in two weeks organized by the student-heavy “Free Fare Movement” against a 10-cent hike in the city’s bus fare. Support for the group has mushroomed since a widely publicized crackdown by military police Thursday that left 120 protesters and journalists injured.
 
video

 
 

Sweeping Protests in Brazil Pull In an Array of Grievances





Nadia Sussman

Brazilian Students Dig for Corruption: Student protesters at a public university in Rio de Janeiro are teaching each other how to expose data about the city's transport system.


Published: June 20, 2013 68 Comments

·         FACEBOOK
·         TWITTER
·         GOOGLE+
·         SAVE
·         E-MAIL
·         SHARE
·         PRINT
·         SINGLE PAGE
·         REPRINTS

·        

SÃO PAULO, Brazil — Just a few weeks ago, Mayara Vivian felt pretty good when a few hundred people showed up for a protest she helped organize to deride the government over a proposed bus fare increase. She had been trying to prod Brazilians into the streets since 2005, when she was only 15, and by now she thought she knew what to expect.

Multimedia




 


 


Related

·         The Lede: Brazil’s Protesters, in Their Own Words (June 20, 2013)


·         The Lede: Readers Debate Brazil’s Protests (June 19, 2013)


Related in Opinion

·         Editorial: Social Awakening in Brazil (June 21, 2013)

·         Room for Debate: Will the Protests Change Brazil? (June 19, 2013)




Follow@nytimesworldfor international breaking news and headlines.




The New York Times


Readers’ Comments

"The Brazilian people must come to their senses. Protest, yes. But let your voices be heard at the ballot box."

PJM, Florida

·         Read Full Comment »

·         Post a Comment »

But when tens of thousands of protesters thronged the streets this week, rattling cities across the country in a reckoning this nation had not experienced in decades, she was dumbfounded, at a loss to explain how it could have happened.

“One hundred thousand people, we never would have thought it,” said Ms. Vivian, one of the founders of the Free Fare Movement, which helped start the protests engulfing Brazil. “It’s like the taking of the Bastille.”

The mass protests thundering across Brazil have swept up an impassioned array of grievances — costly stadiums, corrupt politicians, high taxes and shoddy schools — and spread to more than 100 cities on Thursday night, the most yet, with increasing ferocity.

All of a sudden, a country that was once viewed as a stellar example of a rising, democratic power finds itself upended by an amorphous, leaderless popular uprising with one unifying theme: an angry, and sometimes violent, rejection of politics as usual.

Much like the Occupy movement in the United States, the anticorruption protests that shook India in recent years, the demonstrations over living standards in Israel or the fury in European nations like Greece, the demonstrators in Brazil are fed up with traditional political structures, challenging the governing party and the opposition alike. And their demands are so diffuse that they have left Brazil’s leaders confounded as to how to satisfy them.

“The intensity on the streets is much larger than we imagined,” said Marcelo Hotimsky, a philosophy student who is another organizer of the Free Fare Movement. “It’s not something we control, or something we even want to control.”

Even after politicians in São Paulo, Rio de Janeiro and other parts of Brazil ceded to the protesters’ initial demands by rolling back bus fare increases this week, the demonstrations continued to spread on Thursday night, and President Dilma Rousseff delayed a trip to Japan amid the crisis. The increasing number of cities, the intensity — and in a growing selection of places, the violence — could represent a turning point in the protests.

In Brasília, the capital, the police used pepper spray and tear gas to block protesters from reaching Congress, but many marched on another Modernist landmark in the city, smashing windows at the Foreign Ministry, setting a fire in the entrance and scaling the Meteor, an iconic marble sculpture in a reflecting pool. Banners in the crowd carried slogans like “While you watch your nightly soap opera, we fight for you.”

“I saw the youth taking to the streets and I wanted to support them,” said Raimundo Machado, 50, a public servant in Brasília worried about the beleaguered public health system. “I pay for a health plan, but I can pay. What about those who can’t?”

In Ribeirão Preto, an 18-year-old protester was killed after being struck by a car. Large turnouts shook other cities, with hundreds of thousands protesting in Rio de Janeiro, drinking beer and singing as they marched toward the city government.

But after the sun set, the police used tear gas to disperse them, causing hundreds to run on an already packed street, scrambling not to be pushed into a dirty canal and using bandannas to cover their faces. Dozens were reported injured.

“They don’t invest in education, they don’t invest in infrastructure, and they keep putting makeup on the city to show to the world that we can host the World Cup and Olympics,” said Jairo Domingos, 26, a technical support assistant in Rio, referring to the 2014 World Cup and 2016 Olympic Games. “We work four months of the year just to pay taxes and we get nothing in return.”

In Salvador, Brazil’s third-largest city, clashes broke out between protesters and the police, while in Belém, the capital of Pará State in the Amazon, demonstrators threw stones at the mayor . Here in São Paulo, thousands flowed into Avenida Paulista, the city’s most prominent thoroughfare, with some protesters burning the flags of political parties in a repudiation of the political system.

·         1 

·         2 


Taylor Barnes contributed reporting from Rio de Janeiro, and Lucy Jordan from Brasília.

A version of this article appeared in print on June 21, 2013, on page A1 of the New York edition with the headline: Level of Unrest In Brazil Stuns Even Protesers.

·          

·          

·          

·       


68 Comments

Share your thoughts.



·         ALL

·         READER PICKS

·         NYT PICKS



1.

o    Bemused
o    Manhattan

Dear Allan Hoving, voting matters only when there are real alternatives on the ballot. Otherwise elections are both farce and a con game. I cannot remember having a candidate worthy of my vote in recent memory. No wonder Brasil, Turkey, Spain, Greece, Egypt, Tunisia, and Occupy Wall Street have awakened. They realize that we didn't vote in the corrupt politicians. The ballot was put together by corrupt people and provided no opportunities for a meaningful vote. Awaken from the electoral slumber.


o    RECOMMENDED1


           
o    Ricardo Gomes
o    Curitiba

FIFA threatens to cancel the Confederations Cup in Brazil. This corrupt organization, follower of Mr. Havelange, always came to our country to carry cash, which is received in gratitude by the best players in the world. Instead of supporting the people who always gave them a lot. Very well, go away, but we will not let back.


           

o    Rob Montague
o    Overland Park, KS

NYT Pick
The protests are ad hoc and the demands are inchoate, but it doesn't take rocket science to understand the general thrust of Brazilians dissatisfactions: Brazilians pay high taxes but receive little in return. Everyone in the country is aware of the galactic-class corruption, graft and theft in government and in the contracting and construction industries. Brazilians were proud when their country was selected to host the World Cup and Olympics, but since then all they have seen is incompetence and delays in building the facilities while the costs are revised to stratospheric levels, with most of it disappearing into the pockets of oligarchs and politicians. Meanwhile, other essential infrastructure needs are left to languish, inflation increases, public health services continue to deteriorate from already third-word standards, income inequality grows, and public education is starved for funding. There are many other complaints from one group or another, but the ones just mentioned have near universal consensus. Brazilians want clean government, good quality services, decent health care and good education for themselves and their kids. They certainly pay enough in taxes to expect all of those things! These are hardly unreasonable demands -- the citizens of any self-respecting republic expect them! Brazil's democracy has made great strides forward since the end of the dictatorship, but there's much to be done and people's patience is worn out! They want change now!

o    RECOMMENDED1

           

o    carlson74
o    Massachyussetts

NYT Pick
Conservative austerity bring low wages, corruption and doesn't work. Giving the upper classes more doesn't help the economy in the long run. Along with higher taxes, hirer wages bring the full effect of stimulating a economy, this doesn't take genius to figure it out. We have been seeing this all over the world but conservatives continue to try the same policies that have failed since they were thought up

o    RECOMMENDED2

           

o    lysolalley
o    burbank,ca

Coming to your country soon.

o    RECOMMENDED3

           

o    Alex










http://graphics8.nytimes.com/images/apps/timespeople/none.png
http://graphics8.nytimes.com/images/apps/timespeople/none.png
http://graphics8.nytimes.com/images/apps/timespeople/none.png
o    Rio de Janeiro

We are used to hearing "it happens to be emerging country"! Just ... This is because our laws are bland and outdated. What we see here is not only democracy but overall marginality. Everyone knew that by starting a manifestation of this size, we would have all these problems. Who will pay for all of these losses to public property? "WE ARE!" Ought to have a plan so that it could alleviate these problems. And yes I agree with the attitude of the police towards criminals who want to seize and destroy our already fragile economy. What about the protesters, from the moment that tries to invade and destroy public property, become marginal. Do you know why in developed countries, especially the United States, we do not see it? HARSH LAWS AND NOT ALLOW THE POLICE THAT ADMITS IN BRAZIL. Try to invade the White House, Congress or any other government agency to see what happens.


            http://pimage.timespeople.nytimes.com/6741/5610/cropped-67415610.jpg?1522386275189372831

o    Ida Tarbell
o    Santa Monica

Reiterating the Comments of Gustavo of Rio:

Gustavo
Rio de Janeiro

I urge all New York Times correspondents in Brazil to access social media sites and use the videos that have been posted to now - 1:44 AM - ET, by the participants of the last Protest in Rio de Janeiro. The Brazilian main media is not showing what is still taking place. There are several reports of atrocities being committed by the police, specifically by it's special forces unit - BOPE. People have been cornered in the streets of the city's main neighborhoods. What first seemed to be a strategy to empty the streets, after the protests, now has become a clear effort to terrorize the population, so that people would think twice before coming to the next protests. The escalation of violence is very significant. Please warn the independent human rights defense agencies to monitor all the excesses being committed by a police force internationally know for its lack of respect for human life, and violent practices. Our current political leaders, not only have abandoned us to the mercy of these forces, but are worried about being compelled to withdraw their commitments to private companies that have a hold over the state, and are now turning against their own populations with violence and terror.
Please let this be known all over the world.
[]

o    RECOMMENDED2

            http://graphics8.nytimes.com/images/apps/timespeople/none.png

o    Aline
o    Sao Paulo

The situation is far more complicated than we first expected. I've followed the movements with my friends since the first, and now WE are AFRAID! In Sao Paulo a group of extreme right is attacking members of the social movements. Yesterday, they attacked demonstrators and they burned flags from left partys and social movements They expelled demonstrators for gay rights, for the "end of the racism", like AFRO REGGAE, and the People Without Land group. We are afraid of a political stroke, like in 1964! This group is calling for the president impeachment and the dictatorship... They are calling for one day of national strike and the organiser is an army guy...


            http://graphics8.nytimes.com/images/apps/timespeople/none.png

o    Adrianoquatro
o    São Paulo

The brazilian poor wasn't added to the middle class. The standarts that became much lower since PT (Lula's and Rousset party) reached the power. Accordind to them, if a family own one car, is middle class. If own two cars, is high class. Simple like that.
PS: The average car have a 1 liter engine and costs from US$15,000 and up. Everything here costs at least the double because of taxes to afford corruption.

o    RECOMMENDED3

            http://pimage.timespeople.nytimes.com/4819/6586/cropped-48196586.jpg?10145166221924807980

o    M Crozier
o    South Africa

NYT Pick
The issues of Brazil are precisely the issues faced in South Africa. We too put on a World Cup that was widely considered a showcase event. And yet three years on poverty, corruption and rampant unemployment remains the order of the day in this country. I salute the Brazilian people for taking a stand and saying no more! It just amazes me why the same mass protests haven't happened here. 

Now these hugely expensive stadiums stand unused and are a drain on city resources while children are forced to study in broken down and over-crowded classrooms, without even enough textbooks to go around. Youth unemployment stands at 40% and corruption permeates every level of governance. The World Cup does not belong in countries where people still struggle every day for the absolute basics. No amount of spin doctoring will hide that simple truth.

o    RECOMMENDED9

            http://graphics8.nytimes.com/images/apps/timespeople/none.png

o    Cristiano
o    Brasil

Before anything else. Sorry for errors in English. No is perfect

I'm from Sao Paulo (Brazil), and I can assure that the media Brazil is actually manipulating the numbers of Protestants. There are only 100,000 people or 300,000. 've Certainly spend more than 2 million protesters. The corrupt education blind people, not only in Brazil but it occurs worldwide. That all are aware of this truth. Insistently told a lie becomes truth.

In fact, it is very convenient for politicians who hold political power and supported by those who hold economic power tell us and make us truly believe in the truth rather than truth as the authority itself.

o    RECOMMENDED1

            http://pimage.timespeople.nytimes.com/5860/7624/cropped-58607624.jpg?1780108280696460186

o    Rick B
o    Seattle WA

Global Revolution against the 1% ... count me in!

o    RECOMMENDED6

            http://graphics8.nytimes.com/images/apps/timespeople/none.png

o    steve hunter
o    seattle

Thank you Brazilians for showing we weak kneed Americans what a democracy means and how to hold your government accountable. I applaud you.

o    RECOMMENDED10

           

o    Pierre
o    Brazil

NYT Pick
The only unifying characteristic from the right to the left of the political spectrum is the widespread corruption.
The obscenity of the World cup and Olympics budgets coupled with the arrogance of the FIFA and Olympic comittees successfully imposing their conditions have exacerbated the people's reaction to the complete lack or failure of the social infracstructure and widespread violent crimes and corruption.

o    RECOMMENDED1

           

o    Paulo Rufino
o    London

The giant Brazil is awaking and this is the time to show off to our Brazilian politicians that they no longer can play this dirty game of corruption and people are politically aware nowadays. Thanks for "all saints" of technology which help the world get connected. This is a long road ahead to fight for what is right. Only thing we must condemn are the vandals, who destroy the public patrimony. This behaviour does not represent the set of aspiration and the values of our human society.

o    RECOMMENDED2

           

o    Andréia
o    São José dos Campos

Many of those young people, who 2 weeks ago didn't know anything about politics, now they consider themselves specialists.
And many of those abroad with boards are benefiting from the Science Without Borders scholarship program created by Dilma Roussef.
She had initiatives like that which made it possible. This program includes graduation level, not only advanced post degree levels.
The problems Brazil has go beyond PT and Dilma.
We have politicians like José Sarney who have been in the government for many decades, including once as the president.
Many other politicians families in the Northeast part of the country who not only dominate the local politic scenario, but also are the owners of any commercial establishment you find in those areas.
Renan Calheiros, ACM's family, Collor's [former president] family and many others.
Where they have their dominance are the regions where we have more people receiving monthly help from government.
They've been in the politics scenario for decades one way or another. And their interest is keeping their people poor, very poor, not to allow them to develop a citizenship awareness.
The corruption has deep roots in the society, specially among the richest.
I wish our problems were so simple and caused only by PT or Dilma.
are mostly corruptors. Or the professional marketing political kind that make proposals like 'gay healing', which was approved during this week of protests.
I wish our problems were that simple.


            http://pimage.timespeople.nytimes.com/5993/1919/cropped-59931919.jpg?0.17359998464950854

o    Rob DL
o    Connecticut
o    Verified

The last 5 years especially, we've seen a revolution in the way people organize. With the internet -- which in a historical context is still in it's infancy -- people, or the masses, can organize in a way that used to only be possible for those in government. We are seeing the effects of social media's ability to bring to the surface with force and with the strength of numbers, grievances that in the past would have been relegated to fragmented echos that would've never gained any traction to challenge the ruling elite -- and their ideas.

We've entered a new era of accountability; a new era where power to the people also means power to organize.
Dictators beware...

o    RECOMMENDED2

           

o    Yaaron Shoshan
o    Vienna

They appear to have no focus at all. Why are they asking for more government if the brazilian taxation is the real problem? Guess this urge to make everything public will only punish them in the near future.


           

o    Xavier
o    Unterfoehring, Germany

Brazil is the typical picture, of everything which is negative, and bad, in
Latin America, from Mexico to Argentina.
Corruption at all levels of government, in Argentina for example, the ruling president,
Christina Fernandez de Kirchner and her deceased husband, became multi-
millionaires in United States Dollars, while in power, through corrupted government
deals, in Mexico, the drug cartels, especially the Sinaloa, control police, judges,
even politicians and military.
In Brazil also, the corruption is widespread, at all levels of governmnet, the tax burden
is on the very poor, the big land lords, exploit land workers at the maximum, be
it, in private coffee plantages, or huge cattle ranches, the wages are miserable,
the working conditions are very bad indeed, (similar to cotton pickers,in nineteen
century United States) without any health protection whatsoever.
And the qualities of Dilma Rousoff, the actual president, have been put into
question, to lead a huge country like Brazil, provided that she was elected president,
under the strong pressure, and recommendations, of her predecessor, Ignacio Lula.
Welcome to Latin America and Brazil.!!

o    RECOMMENDED1

           

o    Kamaro
o    Brazil

Congratulations NY Times, for the great coverage of the protests!
I'm from Brazil and the media here insists that they don't understand what's going on or why the protests are happening. You showed them that it's not that hard to understand.
We pay taxes but get NOTHING in return.

o    RECOMMENDED1

           

o    Angelo
o    Brazil

FOR YOUR SAFETY, DO NOT COME TO THE WORLD CUP IN BRAZIL.
We have a weak police, probably you will be assaulted or killed on the streets for only few dollars or for you cell phone, and nobody goes to the jail. If you need, you wont find good hospitals and if you feel really bad, probably you will die waiting for assistance.

o    RECOMMENDED1

           

o    Prof.Jai Prakash Sharma,
o    Jaipur, India
o    Verified

With growing disconnect between the governments and people, shrinking opportunities, and thrilling appeal of globally interconnected social media, such angry public outbursts are likely to be the new normal in the lexicon of emerging alternative style of protest movements, perhaps with little lasting impact and shorter lifespan for survival. It's like a mood changing indulgence for the youth, not a long term commitment to change.

o    RECOMMENDED1

5.

§  A. M. Garrett
§  Lafayette, La.

Careful. Not too long ago people were saying you couldn't get youth or antine to march for anything anymore. Now they march. How long before they figure out how to effect real change? Governments underestimate them at their peril.

§  RECOMMENDED3

6.

§  David Maurer
§  San Francisco

Not a long term commitment to change? Did you not notice what happened in Egypt, Professor?

§  RECOMMENDED2

7.

§  Esperanca
§  Brazil

I do not agree when you said that it is not a long term commitment to change. Are you familiar with the long lasting effects of the Arab Spring? Rulers have been forced down from power and in some countries i.e. Syria civil war is still happening to this date. The Brazilian people are fed up with government corruption and for having to pay the bills for a World Cup that they cannot even afford to go the stadiums and watch. 

GO BRAZIL, THE GIANT HAS AWAKENED!!!

§  RECOMMENDED4

           

o    conscious
o    uk

“They don’t invest in education, they don’t invest in infrastructure, and they keep putting makeup on the city to show to the world that we can host the World Cup and Olympics,” said Jairo Domingos, 26, a technical support assistant in Rio, referring to the 2014 World Cup and 2016 Olympic Games. “We work four months of the year just to pay taxes and we get nothing in return.” 

These are BITTER realities how Brazilians are dismayed by the economic progress of the nation and the plight of marginalized FOLKS; the "Status Quo" of economic apartheid won't continue forever. Capitalism is on a "downward spiral"; after the fall of communism time has come where FOLKS gonna bury this "unjust" and "brutal"
system "once for all".
 

ENOUGH IS ENOUGH!!!!

o    RECOMMENDED14

           

o    Fernando
o    South of Brazil (Bento Gonçalves - RS)

Here in Brazil, everyone knows why protests happen now. In fact, the spark that causes this explosion are overpriced costs of buildings / works for the 2014 World Cup.
It really is unacceptable to hold a cup that cost more than 30 billion (surpassing spending added the last three World Cups) in a country where more than 80% of the population lives in poverty, where there is no public health, where hospitals have no doctors or equipment to meet. where public education is scrapped, where millions of families do not really have anything to eat, where kids prostitutes to earn some money and help their families, where prisons are dilapidated and are major centers of spreading disease, where poverty and ignorance of the population have become a powerful and effective political and industry, where the evil rulers know what their obligations ...
These are just some of the real reasons. Wait, it still happens a lot here in Brazil.
As we say here in Brazil (in analogy to facebook), Brazil changed its satus of "eternally laid on a splendid cradle" to "SEE THAT YOUR SON NOT FIGHT Flees".

o    RECOMMENDED19

o    <="" li="" style="font-size: 1em; line-height: 1.5em; background-image: url(http://graphics8.nytimes.com/images/bullets/bullet_2x2.png); padding: 0px 0px 0px 8px; margin-bottom: 0px; float: left; margin-right: 5px; text-transform: uppercase; color: rgb(144, 144, 144); display: list-item; background-position: 0% 0.7em; background-repeat: no-repeat no-repeat;">

§   
§   

           

o    Evandro
o    Lima

Please help us! This country has everything to work but the damn politicians are ruining the country! Do not come to the World Cup because they are times of horror here, we are dying on his hands!

 

 

 

 

 


 
 

[RETIRADO DO “THE NEW YORK TIMES”]
Protestos radicais no Brasil Puxa uma matriz de Queixas



 
 

http://www.edgarlisboa.com.br/wp-content/themes/atahualpa/images/icons/date.gif20/06/2013 | http://www.edgarlisboa.com.br/wp-content/themes/atahualpa/images/icons/comment.gifComentar

Print Friendly

O jornal norte-americano The New York Times publica,hoje, em sua primeira página avaliação dos protestos no Brasil. Na íntegra:

 

Nadia Sussman
Os estudantes brasileiros aprofundam a questões sobre  de corrupção: manifestantes estudante de uma universidade pública no Rio de Janeiro estão ensinando uns aos outros como expor dados sobre o sistema de transportes da cidade.
By SIMON ROMERO e WILLIAM NEUMAN

Multimedia

 







Related

·         The Lede: Brazil’s Protesters, in Their Own Words (June 20, 2013)


·         The Lede: Readers Debate Brazil’s Protests (June 19, 2013)


Related in Opinion

·         Editorial: Social Awakening in Brazil (June 21, 2013)

·         Room for Debate: Will the Protests Change Brazil? (June 19, 2013)

World Twitter Logo.


Follow@nytimesworldfor international breaking news and headlines.



Publicado em: 20 junho de 2013 68 comentários
SÃO PAULO, Brasil - Apenas algumas semanas atrás, Mayara Vivian me senti muito bem quando algumas centenas de pessoas apareceram para um protesto que ajudou a organizar a ridicularizar o governo sobre a proposta de aumento da tarifa de ônibus. Ela estava tentando levar brasileiros nas ruas desde 2005, quando ela tinha apenas 15 anos, e agora ela achava que sabia o que esperar.

.
Multimídia

Falando em São Paulo
 Gráfico
O custo de vida no Brasil
 Slide Show
Protestos espalhadas pelo Brasil
Relacionado
• The Lede: Manifestantes do Brasil, em suas próprias palavras (20 de junho de 2013)
• The Lede: Gás lacrimogêneo lançada Outside Stadium no Brasil, mas ainda espalha Protesto Dentro (19 de Junho de 2013)
• The Lede: Leitores Debate Protestos do Brasil (19 de Junho de 2013)
• The Lede: Protestos Expandir no Brasil, alimentada por vídeo de brutalidade policial (18 de Junho de 2013)
Relacionados no parecer
• Editorial: Awakening Social do Brasil (21 de Junho de 2013)
• Espaço para Debate: Será que os protestos mudar o Brasil? (19 de Junho de 2013)

Siga-nos no Twitter
Siga @ breaking news nytimesworldfor internacional e manchetes.
Twitter List: repórteres e editores

The New York Times
Mais Fotos »
Comentários dos leitores
"O povo brasileiro tem de vir a seus sentidos. Protesto, sim. Mas deixe sua voz ser ouvida nas urnas."
PJM, Florida
• Read completa »
• Postar um comentário »
Mas, quando dezenas de milhares de manifestantes lotaram as ruas esta semana, sacudindo cidades de todo o país em um acerto de contas este país não tinha experimentado nas últimas décadas, ela estava aturdido, em uma perda para explicar como isso poderia ter acontecido.

“Cem mil pessoas, nunca teria pensado nisso”, disse Vivian, um dos fundadores do Movimento Fare Livre, que ajudou a iniciar os protestos que assolam o Brasil. “É como a tomada da Bastilha.”



Os protestos em massa em todo o Brasil trovejando ter varrido uma matriz apaixonado de queixas – estádios caros, políticos corruptos, impostos altos e escolas de má qualidade – e se espalhou para mais de 100 cidades na quinta-feira à noite, mais ainda, com o aumento da ferocidade.


De repente, um país que já foi visto como um excelente exemplo de uma potência em ascensão, democrático encontra-se abalado por um amorfo, revolta popular sem liderança com um tema unificador: um bravo, e às vezes violento, a rejeição da política como de costume.
Muito parecido com o movimento Occupy nos Estados Unidos, os protestos contra a corrupção que abalaram a Índia nos últimos anos, as manifestações mais qualidade de vida em Israel ou a fúria em países europeus como a Grécia, os manifestantes no Brasil são alimentados com as estruturas políticas tradicionais, desafiando a partido do governo e da oposição da mesma forma. E suas demandas são tão difusa que eles deixaram os líderes do Brasil confundiu a respeito de como satisfazê-los.
“A intensidade nas ruas é muito maior do que imaginávamos”, disse Marcelo Hotimsky, um estudante de filosofia que é outro organizador do Movimento Fare gratuito. “Não é algo que podemos controlar, ou até mesmo algo que deseja controlar.”

Mesmo depois de os políticos em São Paulo, Rio de Janeiro e em outras partes do Brasil cedeu às demandas iniciais dos manifestantes revertendo passagem de ônibus aumenta nesta semana, as manifestações continuaram a se espalhar na noite de quinta, e a presidente Dilma Rousseff adiou uma viagem ao Japão em meio a a crise. O número crescente de cidades, a intensidade – e em uma crescente seleção de locais, a violência – pode representar um ponto de viragem nos protestos.

Em Brasília, a capital, a polícia usou spray de pimenta e gás lacrimogêneo para impedir os manifestantes de chegar Congresso, mas muitos marcharam em outro marco modernista na cidade, quebrando janelas no Itamaraty, a criação de um incêndio na entrada e escala o Meteor, uma escultura de mármore icônico em um espelho d’água. Banners na multidão realizado slogans como “Enquanto você assiste a sua novela todas as noites, nós lutamos para você.”

“Eu vi a juventude a tomar as ruas e eu queria apoiá-los”, disse Raimundo Machado, 50 anos, funcionário público em Brasília, preocupado com o sistema público de saúde sitiada. “Eu pago por um plano de saúde, mas eu posso pagar. E aqueles que não podem? ”

Em Ribeirão Preto, um manifestante de 18 anos, foi morto depois de ser atingido por um carro. Grandes ramais balançou outras cidades, com centenas de milhares de pessoas que protestavam no Rio de Janeiro, bebendo cerveja e cantando enquanto marchavam em direção à prefeitura.

Mas após o pôr do sol, a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersá-los, fazendo com que centenas de correr em uma rua já embalado, lutando para não ser empurrado para dentro de um canal sujo e usando máscaras para cobrir seus rostos. Dezenas ficaram feridos.

“Eles não investem em educação, eles não investem em infra-estrutura, e mantêm-se colocar maquiagem na cidade para mostrar ao mundo que podemos sediar a Copa do Mundo e Olimpíadas”, disse Jairo Domingos, 26, um suporte técnico assistente no Rio, referindo-se à Copa do Mundo de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016. “Nós trabalhamos quatro meses do ano apenas para pagar impostos e não recebemos nada em troca.”

Em Salvador, terceira maior cidade do Brasil, confrontos eclodiram entre os manifestantes ea polícia, enquanto em Belém, capital do Estado do Pará, na Amazônia, os manifestantes atiraram pedras contra o prefeito. Aqui em São Paulo, milhares fluiu Avenida Paulista, via mais importante da cidade, com alguns manifestantes queimando as bandeiras de partidos políticos em um repúdio do sistema político.


Taylor Barnes contribuiu com reportagem do Rio de Janeiro, e Lucy Jordan a partir de Brasília.

Taylor Barnes contribuiu com reportagem do Rio de Janeiro, e Lucy Jordan a partir de Brasília.

‘Brasileiros parecem ter encontrado sua voz’, diz texto do Conselho Editorial do NYT

O jornal “The New York Times” dedicou seu editorial desta quinta-feira (20) aos protestos ocorridos no Brasil nesta semana e destacou os problemas que o país enfrenta como “gastos distorcidos e falhas em educação e outros serviços sociais”. Apenas ontem, mais de 1 milhão de pessoas saíram às ruas em 25 capitais brasileiras.

“Não é de admirar que o reajuste do transporte público tenha causado indignação entre os pobres e a classe média, que estão sobrecarregados por um sistema tributário asfixiante”, afirmou a publicação.

O jornal afirma ainda que “o Banco Mundial apresenta o Brasil como a sétima maior economia do mundo, mas coloca-o entre os 10% com pior igualdade de renda” e aponta o descontentamento com “casos de políticos implicados em esquemas de corrupção”.

Muitas cidades decidiram reduzir tarifas do transporte público, mas o NYT aponta que a presidente Dilma Rousseff, que concorrerá à reeleição no próximo ano, terá que enfrentar novas demandas.


Uma versão deste artigo apareceu na imprensa em 21 de junho de 2013, na página A1 da edição de Nova York, com a manchete: Nível de agitação no Brasil atordoa Mesmo Protesers.


 

 

 

 

 

 

O mais novo
Escrever um comentário
1.
ó Bemused
o Manhattan
Caro Allan Hoving, assuntos de voto somente quando há alternativas reais na cédula. Caso contrário, as eleições são tanto farsa e um jogo de con. Não me lembro de ter um candidato digno do meu voto na memória recente. Não admira Brasil, Turquia, Espanha, Grécia, Egito, Tunísia e Occupy Wall Street ter despertado. Eles percebem que não votar nos políticos corruptos. A cédula foi criada por pessoas corruptas e desde há oportunidades para uma votação significativa. Despertar do sono eleitoral.
o 21 de junho de 2013 às 08:54
O Recomendado1
2.
o Ricardo Gomes
o Curitiba
FIFA ameaça cancelar a Copa das Confederações no Brasil. Esta organização corrupta, seguidor do Sr. Havelange, sempre veio ao nosso país para realizar dinheiro, que é recebido com gratidão pelos melhores jogadores do mundo. Em vez de apoiar as pessoas que sempre lhes deu muito. Muito bem, vá embora, mas não vamos deixar para trás.
o 21 de junho de 2013 às 08:54
3.
o Rob Montague
o Overland Park, KS
NYT Pico
Os protestos são ad hoc e as demandas são incipientes, mas não é preciso ciência de foguetes para entender as linhas gerais de brasileiros insatisfações: os brasileiros pagam altos impostos, mas recebem pouco em troca. Todo mundo no país está ciente da corrupção da classe galáctico, corrupção e roubo no governo e nas indústrias de contratação e construção. Brasileiros estavam orgulhosos quando seu país foi escolhido para sediar a Copa do Mundo e Olimpíadas, mas, desde então, tudo o que temos visto é a incompetência e os atrasos na construção das instalações, enquanto os custos são revisadas para níveis estratosféricos, com a maior parte desaparecendo nos bolsos dos oligarcas e os políticos. Enquanto isso, outras necessidades essenciais de infra-estrutura são deixados a definhar, a inflação aumenta, os serviços de saúde pública continuam a deteriorar-se a partir de padrões já terceira palavra, a desigualdade de renda cresce, ea educação pública é carente de financiamento. Há muitas outras reclamações de um grupo ou outro, mas os que acabamos de mencionar tem quase consenso universal. Brasileiros querem um governo limpo, serviços de boa qualidade, cuidados de saúde decente e boa educação para si e seus filhos. Eles certamente pagam impostos suficientes para esperar que todas essas coisas! Estes são quase exigências descabidas - os cidadãos de qualquer república que se preze espera deles! Democracia no Brasil tem feito grandes progressos desde o fim da ditadura, mas há muito a ser feito e paciência das pessoas está desgastada! Eles querem mudar agora!
o 21 de junho de 2013 às 08:54
O Recomendado1
4.
o carlson74
o Massachyussetts
NYT Pico
Austeridade conservador trazer os baixos salários, a corrupção e não funciona. Dando as classes superiores mais não ajuda a economia a longo prazo. Junto com o aumento dos impostos, locatário salários trazer o pleno efeito de estimular a economia, isso não leva gênio para descobrir isso. Temos visto isto em todo o mundo, mas os conservadores continuam a tentar as mesmas políticas que falharam, uma vez que foram pensadas
o 21 de junho de 2013 às 08:39
O RECOMMENDED2
5.
o lysolalley
o Burbank, CA
Chegando ao seu país em breve.
o 21 de junho de 2013 às 08:39
O recomendado3
6.
o Alex
o Rio de Janeiro
Estamos acostumados a ouvir "ele passa a ser país emergente"! Apenas ... Isso ocorre porque nossas leis são brandas e ultrapassadas. O que vemos aqui não é apenas a marginalidade democracia, mas em geral. Todos sabiam que, iniciando uma manifestação desse tamanho, teríamos todos esses problemas. Quem vai pagar por todas essas perdas ao patrimônio público? "NÓS SOMOS!" Deve ter um plano para que pudesse aliviar esses problemas. E sim, eu concordo com a atitude da polícia para criminosos que querem apreender e destruir a nossa economia já frágil. E sobre os manifestantes, a partir do momento em que tenta invadir e destruir propriedade pública, tornar-se marginal. Você sabe por que nos países desenvolvidos, especialmente os Estados Unidos, não vê-lo? Leis severas e não permitir à polícia que ADMITE NO BRASIL. Tente invadir a Casa Branca, o Congresso ou qualquer outra agência do governo para ver o que acontece.
o 21 de junho de 2013 às 08:39
7.
o Ida Tarbell
o Santa Monica
Reiterando os comentários de Gustavo do Rio:

Gustavo
Rio de Janeiro

Exorto todos os tempos correspondentes de Nova York no Brasil para acessar sites de mídia social e usar os vídeos que foram postados agora - 01h44 - ET, pelos participantes do último protesto no Rio de Janeiro. Os meios de comunicação principais brasileiros não está mostrando o que ainda está ocorrendo. Há vários relatos de atrocidades cometidas pela polícia, especificamente por que é unidade de Forças Especiais - BOPE. As pessoas têm sido encurralado nas ruas das principais bairros da cidade. O que parecia primeiro a ser uma estratégia para esvaziar as ruas, após os protestos, agora tornou-se um claro esforço para aterrorizar a população, para que as pessoas pensariam duas vezes antes de vir para os próximos protestos. A escalada da violência é muito significativo. Por favor, avisar os órgãos de defesa de direitos humanos independentes para monitorar todos os excessos cometidos por uma força policial sabe internacionalmente por sua falta de respeito pela vida humana, e práticas violentas. Nossos líderes políticos atuais, não só nos abandonaram à mercê dessas forças, mas está preocupado com o que está sendo obrigado a retirar seus compromissos de empresas privadas que têm um poder sobre o Estado, e agora estão se voltando contra suas próprias populações com violência e terror . Por favor, deixe este ser conhecido em todo o mundo.
[]
o 21 de junho de 2013 às 08:29
O RECOMMENDED2
8.
o Aline
o São Paulo
A situação é muito mais complicada do que se previa inicialmente. Eu segui os movimentos com os meus amigos, desde a primeira, e agora estamos com medo! Em São Paulo, um grupo de extrema-direita está a atacar os membros dos movimentos sociais. Ontem, os manifestantes atacaram e queimaram bandeiras de partys de esquerda e movimentos sociais expulsaram manifestantes pelos direitos dos homossexuais, para o "fim do racismo", como o Afro Reggae, e as pessoas sem Grupo de terra. Temos medo de um golpe político, como em 1964! Este grupo está chamando o presidente impeachment ea ditadura ... Eles estão pedindo um dia de greve nacional eo organizador é um cara do exército ...
o 21 de junho de 2013 às 08:28
9.
o Adrianoquatro
o São Paulo
O pobre brasileiro não foi adicionado à classe média. Os standarts que se tornaram muito mais baixo desde PT (Lula e Rousset partido) chegou ao poder. Accordind para eles, se um possuir um carro da família, é de classe média. Se próprios dois carros, é de alta classe. Simples assim.
PS: O carro médio tem um motor de 1 litro e custa a partir de US $ 15.000 e EUA up. Tudo aqui custa pelo menos o dobro por causa dos impostos para pagar a corrupção.
o 21 de junho de 2013 às 08:28
O recomendado3
10.
o M Crozier
o da África do Sul
NYT Pico
Os problemas do Brasil são, precisamente, os problemas enfrentados na África do Sul. Nós também colocar em uma Copa do Mundo, que foi amplamente considerado como um evento de showcase. E ainda três anos na pobreza, corrupção e desemprego galopante continua a ser a ordem do dia no país. Eu saúdo o povo brasileiro para tomar uma posição e dizer mais nada! Ele só me espanta por isso que os mesmos protestos em massa não aconteceu aqui.

Agora, esses estádios extremamente caros estão sem uso e são um sorvedouro de recursos da cidade, enquanto as crianças são obrigadas a estudar em discriminadas e superlotado salas de aula, sem livros didáticos ainda suficientes para todos. O desemprego juvenil é de 40% e corrupção permeia todos os níveis da governação. A Copa do Mundo não pertence a países onde as pessoas ainda lutam todos os dias para os princípios absolutos. Nenhuma quantidade de spin doctoring vai esconder essa verdade simples.
o 21 de junho de 2013 às 08:28
O RECOMMENDED9
11.
o Cristiano
o Brasil
Antes de qualquer outra coisa. Desculpem-me por erros em Inglês. Não é perfeito

Eu sou de São Paulo (Brasil), e posso garantir que a mídia o Brasil está realmente manipulando os números de protestantes. Existem apenas 100 mil pessoas, ou 300 mil. 'Ve Certamente gastar mais de 2 milhões de manifestantes. A educação de pessoas corruptas cegos, não só no Brasil, mas ocorre em todo o mundo. Que todos estão cientes desta verdade. Insistentemente disse uma mentira se torna verdade.

Na verdade, é muito conveniente para os políticos que detêm o poder político e apoiado por aqueles que detêm o poder econômico nos dizem e nos fazem acreditar verdadeiramente na verdade ao invés de verdade como a própria autoridade.
o 21 de junho de 2013 às 08:27
O Recomendado1
12.
o Rick B
O Seattle WA
Revolução global contra o 1% ... conte comigo!
o 21 de junho de 2013 às 08:27
O RECOMMENDED6
13.
o steve caçador
o Seattle
Obrigado por mostrar que nós brasileiros fraco joelhada americanos que a democracia significa e como responsabilizar o governo. Eu aplaudi-lo.
o 21 de junho de 2013 às 08:27
O RECOMMENDED10
14.
o Pierre
o Brasil
NYT Pico
A única característica unificadora da direita para a esquerda do espectro político, é a corrupção generalizada.
A obscenidade da Copa do Mundo e Olimpíadas orçamentos juntamente com a arrogância da FIFA e Comites Olímpicos impor com sucesso as suas condições de ter agravado a reação do povo à completa falta ou falha do infracstructure social e crimes violentos e corrupção generalizada.
o 21 de junho de 2013 às 08:26
O Recomendado1
15.
o Paulo Rufino
o London
A gigante do Brasil está despertando e este é o momento para mostrar aos nossos políticos brasileiros que já não pode jogar este jogo sujo da corrupção e as pessoas são politicamente consciente hoje em dia. Obrigado por "todos os santos" da tecnologia que ajudam o mundo ficar ligado. Este é um longo caminho pela frente para lutar pelo que é certo. A única coisa que devemos condenar são os vândalos, que destroem o patrimônio público. Este comportamento não representa o conjunto de aspiração e os valores da nossa sociedade humana.
o 21 de junho de 2013 às 08:26
O RECOMMENDED2
16.
o Andréia
o São José dos Campos
Muitos desses jovens, que duas semanas atrás não sabia nada sobre política, agora eles se consideram especialistas.
E muitos daqueles no exterior com placas estão se beneficiando do Ciência Sem Fronteiras programa de bolsas criado por Dilma Roussef.
Ela teve iniciativas como o que a tornou possível. Este programa inclui nível de graduação, não só níveis avançados pós.
Os problemas que o Brasil tem ir além do PT e Dilma.
Temos políticos como José Sarney que estiveram no governo por muitas décadas, incluindo uma vez como presidente.
Muitos outros políticos famílias na parte nordeste do país, que não só dominam o cenário político local, mas também são os proprietários de qualquer estabelecimento comercial que você encontra nessas áreas.
Renan Calheiros, a família de ACM, [ex-presidente] Collor família e muitos outros.
Onde eles têm o seu domínio são as regiões onde temos mais pessoas que recebem a ajuda mensal do governo.
Eles estão no cenário político há décadas de uma forma ou de outra. E o seu interesse é manter seu povo pobre, muito pobre, para não permitir que eles desenvolvam uma consciência de cidadania.
A corrupção tem raízes profundas na sociedade, especialmente entre os mais ricos.
Gostaria que os nossos problemas são tão simples e causado apenas por PT ou Dilma.
são na sua maioria corruptores. Ou do tipo político profissional de marketing que fazem propostas como 'cura gay', que foi aprovado durante esta semana de protestos.
Gostaria que os nossos problemas são tão simples assim.
o 21 de junho de 2013 às 08:26
17.
o Rob DL
o Connecticut
Verificado o
Os últimos 5 anos, especialmente, temos visto uma revolução na forma como as pessoas se organizam. Com a internet - que, em um contexto histórico ainda está em sua infância - as pessoas ou as massas, pode organizar de uma maneira que costumava ser apenas possível para aqueles no governo. Estamos vendo os efeitos da capacidade das mídias sociais para trazer à tona com força e com a força dos números, queixas que no passado teria sido relegado para ecos fragmentados que nunca ganhou qualquer tração para desafiar a elite governante - e suas idéias.

Entramos em uma nova era de responsabilidade, uma nova era onde o poder ao povo significa também poder se organizar. Ditadores cuidado ...
o 21 de junho de 2013 às 08:26
O RECOMMENDED2
18.
o Yaaron Shoshan
o Vienna
Eles parecem não ter foco em tudo. Por que eles estão pedindo mais do governo, se a tributação brasileira é o problema real? Acho que essa vontade de fazer tudo o público só vai puni-los em um futuro próximo.
o 21 de junho de 2013 às 08:25
19.
o Xavier
o Unterfoehring, Alemanha
O Brasil é o quadro típico, de tudo o que é negativo e ruim, na
América Latina, do México à Argentina.
Corrupção em todos os níveis de governo, na Argentina, por exemplo, o presidente da sentença,
Cristina Fernandez de Kirchner e seu falecido marido, tornou-se multi-
milionários em dólares dos Estados Unidos, enquanto no poder, através do governo corrompido
ofertas, no México, os cartéis de drogas, especialmente o de Sinaloa, a polícia de controle, juízes,
até mesmo políticos e militares.
No Brasil também, a corrupção é generalizada, em todos os níveis de governmnet, a carga tributária
é sobre os mais pobres, os grandes senhores da terra, explorar os trabalhadores de terra, no máximo, ser
que, em plantages café privadas, ou grandes fazendas de gado, os salários são miseráveis,
as condições de trabalho são muito ruins de fato, (semelhante ao colheitadeiras de algodão, em dezenove
século Estados Unidos), sem qualquer protecção da saúde qualquer.
E as qualidades de Dilma Rousoff, o atual presidente, têm sido postas em
pergunta, para liderar um país enorme como o Brasil, desde que foi eleita presidente,
sob a forte pressão, e recomendações, de seu predecessor, Ignacio Lula.
Bem-vindo à América Latina e no Brasil.!
o 21 de junho de 2013 às 08:25
O Recomendado1
20.
o Kamaro
o Brasil
Parabéns NY Times, para a grande cobertura dos protestos!
Eu sou do Brasil e os meios de comunicação aqui insiste que eles não entendem o que está acontecendo ou por que os protestos estão acontecendo. Você mostrou-lhes que não é assim tão difícil de entender. Nós pagamos impostos, mas receber nada em troca.
o 21 de junho de 2013 às 08:25
O Recomendado1
21.
o Angelo
o Brasil
Para sua segurança, NÃO VEM PARA A COPA DO MUNDO NO BRASIL.
Temos uma polícia fraca, provavelmente você vai ser assaltado ou morto nas ruas por apenas alguns dólares ou para seu telefone celular, e ninguém vai para a prisão. Se você precisar, você não vai encontrar bons hospitais e se você se sentir muito mal, provavelmente você vai morrer esperando por ajuda.
o 21 de junho de 2013 às 08:24
O Recomendado1
22.
o Prof.Jai Prakash Sharma,
o Jaipur, Índia
Verificado o
Com a crescente desconexão entre os governos e os povos, a redução de oportunidades, e emocionante apelo das mídias sociais interligados globalmente, essas explosões públicas raiva são susceptíveis de ser o novo normal no léxico dos países emergentes estilo alternativo de movimentos de protesto, talvez com pouco impacto duradouro e mais curto vida útil para a sobrevivência. É como uma mudança de humor indulgência para os jovens, não é um compromisso de longo prazo para mudar.
o 21 de junho de 2013 às 03:57
O Recomendado1
5.
§ A. Garrett M.
§ Lafayette, Louisiana
Cuidado. Não muito tempo atrás as pessoas diziam que você não poderia começar de jovens ou quarentena para marchar para mais nada. Agora eles março. Quanto tempo antes de descobrir como efetuar uma mudança real? Governos subestimá-los em seu próprio risco.
§ 21 de junho de 2013 às 08:25
§ recomendado3
6.
§ David Maurer
§ São Francisco
Não é um compromisso de longo prazo para mudar? Será que você não percebe o que aconteceu no Egito, Professor?
§ 21 de junho de 2013 às 08:28
§ RECOMMENDED2
7.
§ Esperanca
§ Brasil
Eu não concordo quando você disse que não é um compromisso de longo prazo para mudar. Você está familiarizado com os efeitos duradouros da Primavera Árabe? Governantes foram forçados para baixo de energia e em alguns países ou seja Síria guerra civil ainda está acontecendo com esta data. O povo brasileiro está farto de corrupção no governo e por ter de pagar as contas de uma Copa do Mundo que eles não podem sequer dar ao luxo de ir aos estádios e assistir.

VAI BRASIL, O gigante despertou!
§ 21 de junho de 2013 às 08:29
§ RECOMMENDED4
23.
o consciente
o Reino Unido
"Eles não investem em educação, eles não investem em infra-estrutura, e mantêm-se colocar maquiagem na cidade para mostrar ao mundo que podemos sediar a Copa do Mundo e Olimpíadas", disse Jairo Domingos, 26, um suporte técnico assistente no Rio, referindo-se à Copa do Mundo de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016. "Nós trabalhamos quatro meses do ano apenas para pagar impostos e não recebemos nada em troca."

Estas são realidades AMARGOS como os brasileiros estão consternados com o progresso econômico do país e à situação das pessoas marginalizadas, o "Status Quo" do apartheid econômico não continuará para sempre. O capitalismo está em uma "espiral descendente", após a queda do comunismo tempo chegou onde as pessoas vão enterrar este "injusto" e "brutal"
sistema "de uma vez por todas".

BASTA!!
o 21 de junho de 2013 às 03:29
O RECOMMENDED14
24.
o Fernando
o Sul do Brasil (Bento Gonçalves - RS)
Aqui no Brasil, todo mundo sabe por que os protestos acontecem agora. Na verdade, a centelha que provoca essa explosão estão as despesas de edifícios / obras para a Copa do Mundo de 2014.
É realmente inaceitável para segurar um copo, que custou mais de 30 bilhões (superando a despesa adicional nas últimas três Copas do Mundo), em um país onde mais de 80% da população vive em situação de pobreza, onde não há saúde pública, onde os hospitais não têm médicos ou equipamentos para atender. onde a educação pública é desmantelada, onde milhões de famílias realmente não tem nada para comer, onde as prostitutas crianças para ganhar algum dinheiro e ajudar suas famílias, onde as prisões estão em ruínas e são os principais centros de propagação da doença, onde a pobreza ea ignorância da população têm tornar-se uma indústria político e poderoso e eficaz, onde os governantes maus saber quais as suas obrigações ...
Estas são apenas algumas das razões reais. Espere, ainda acontece muito aqui no Brasil.
Como dizemos aqui no Brasil (em analogia ao facebook), o Brasil mudou seu satus de "deitado eternamente em berço esplêndido" para "ver que seu Filho não foge LUTA".
o 21 de junho de 2013 às 03:29
O RECOMMENDED19
o <= "" li = "" style = "font-size: 1em; line-height: 1.5em; background-image: url (http://graphics8.nytimes.com/images/bullets/bullet_2x2.png); padding: 0px 0px 0px 8px; margin-bottom: 0px; float: left; margin-right: 5px; text-transform: uppercase; color: rgb (144, 144, 144); display: list-item; background-position: 0% 0.7em; background-repeat: no-repeat no-repeat; ">
§
§
25.
o Evandro
o Lima
Por favor, ajude-nos! Este país tem tudo para funcionar, mas os políticos malditos estão arruinando o país! Não venha para a Copa do Mundo, porque são momentos de horror aqui, estamos morrendo em suas mãos!
 
 


Movimento Passe Livre
From Wikipedia, the free encyclopedia
The Free Fare Movement (Portuguese: Movimento Passe Livre, [muviˈmẽtu ˈpasi ˈɫivɾi]) is a Brazilian social movement that advocates the adoption of free fares in mass transit. The movement was founded in a session during the Worldwide Social Forum in 2005, in Porto Alegre,[1] and gained prominence for its participation in the planning of the 2013 Brazilian protests.
Contents
  [hide
·         1 Proposals
·         2 History
·         5 See also
·         6 References
·         7 External links

Proposals[edit]
The major demand of the movement is the migration of the private transport system to a public system, an event which would guarantee universal access by free fares. For the movement, this would bring about a system free of social exclusion. The actions of the movement include dissemination, studies and analysis of local transport systems, and then taking this information to various groups within the cities. The movement also participates in protests, manifestations, interventions, and popular-initiative pushes for legislation. The movement uses such tactics to pressure the government, believing it to be the best way of doing politics.
The movement is organized on basic principles, approved in a session on free fares during the Fifth World Social Forum, inside the Espaço Caracol Intergalactika. From then, it was officially known as the Free Fare Movement. Its principles at the time were independence, non-partisanship, horizontality, and decisions by consensus. During the 3rd National Free Pass Movement Meeting (ENMPL), in July of 2006, federalism was added as a principle. These principles can be modified by way of consensus.

History[edit]
The popular revolt which started the Free Fare Movement happened in Salvador, capital of the state of Bahia. In 2003, thousands of young people, students, and workers closed the public roads, protesting against a raise in transport fares. Over the course of 10 days, the city was effectively paralyzed. The event was so significant that it became a documentary, called “A Revolta do Buzu”. The demonstrations came to an end when traditional student groups (such as the UNE and the UJS) set themselves up as leaders of the revolt they had not started, and went to negotiate with the government behind closed doors. These groups presented 10 demands, of which 9 were met, including half-price fares for postgraduate students and the right to half-price fare for all students during the weekends. The main complaint of the street demonstrations was not met: the demonstrations increased in force. However, after the negotiations, the population was demobilized and street actions lost their force.[2][3]
In 2004, a group in Florianópolis, inspired by the events of Salvador, articulated a position different from that of the traditional student organizations. After a week of intense mobilizations and protests, the city came to halt in the famous “Revolta da Catraca” or “Tomorrow will be greater.” The demand was once again the reduction of bus fares, and had the participation of other groups, such as neighborhood associations, teachers, and the population in general. The protests were quite successful, and that year the increase in fares was repealed. In 2005, a further increase was announced, however, after a month of protesting, the city announced the cancellation of that increase.
In the following years, protests against fare increases and against the current transport system occurred in several regions of Brazil, such as São Paulo, Itu, Belo Horizonte, Curitiba, Cuiabá, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Brasília, Joinville, Blumenau, Fortaleza, Recife, Aracaju, Rio Branco, among others. In 2006, the bus fare rate was reduced after public protests in Vitória.
In early 2011, increases in ticket prices for public transportation provoked massive demonstrations in Brazil, especially in São Paulo, where the fight against rising prices met weekly for three months; with almost 2,000 students in the downtown streets. The period was also marked by achievements in the North: in Belém, organized protestors succeeded in reversing a price hike, and, in Porto Velho, the increase was suspended for two weeks.

Organization of the Free Pass Movement[edit]
The movement’s national articulation is done through National Working Groups (GTN, Portuguese: Grupos de Trabalho Nacional), where the movement organizes joint actions, national announcements (such as the national newspaper of the movement) and the National Meeting of the Free Pass Movement (ENMPL). In the last ENMPL, the creation of Working Groups in communication, organization, and legal support was decided.

National Day of Free Passage[edit]
The 26th of October is considered the National Day of the Struggle for Free Passage. Its first “edition” took place in 2005, where a ratchet in flames symbolized the union of the events that took place in 14 cities. The date was chosen because it was the day that the bill by petition (with some 20,000 signatures) was voted on in the City Council of Florianópolis. The project was approved on November 4.